Mandatory National Service: A Bad ID That Won’T Die

Admittely, seeing Mao’s Red Guards as a model for America appears dated at best. Mas os atuais defensores do Serviço Nacional buscam igualmente transformar a sociedade. Eles imaginam seu programa fornecendo treinamento de trabalho e emprego, incentivando a igualdade social, promovendo a tolerância e a mentalidade cívica, expandindo o acesso à faculdade, engendrando patriotismo, e abordando onipresentes “necessidades sociais não satisfeitas”.”A ideia parece-me óptima. Mas, na prática, é um disparate perigoso.

o primeiro a se juntar às fileiras dos defensores do Serviço Nacional foi o prefeito de South Bend Pete Buttigieg, que se queixou da falta da América de “coesão social”.”O que fazer? Obrigá-los a trabalhar juntos, claro! Voilà, “coesão social”! Em sua defesa, Buttigieg era apenas ambíguo o suficiente para permitir-se sair de um ponto apertado político. Ele explicou no MSNBC: “Uma coisa que poderíamos fazer que mudaria seria torná-lo, se não legalmente obrigatório, mas certamente uma norma social que qualquer pessoa, depois de ter 18 anos, passa um ano no Serviço Nacional.”

O problema é que a falta de compulsão garante que o plano de Buttigieg falhe. Haverá sempre jovens de 18 anos que resistirão mesmo a uma suposta “norma social”.”No entanto, para os defensores do serviço nacional, tais resistências são precisamente aqueles que mais necessitam de civilizar o “serviço”, ou seja, projetos políticos mandatados pelos engenheiros sociais em Washington. Aqueles que sofrem de “febre de sábado à noite, desemprego, o novo narcisismo, e outras aflições da juventude americana” não percebem que estão doentes e, portanto, devem ser curados à força.John Delaney descarrega qualquer ambiguidade. Votar a menos de 1% faz com que os candidatos presidenciais digam as coisas mais malditas. Ele tuitou: “é hora de unir o país, para restaurar nosso senso de propósito compartilhado e reconstruir um destino nacional comum e inclusivo. É por isso que precisamos de um serviço nacional obrigatório.”Todas as crianças de 18 anos teriam de trabalhar para o Tio Sam durante pelo menos um ano, “sem excepções.”

é uma ideia incrivelmente burra. Primeiro, há o problema constitucional – a 13ª Emenda proscreve claramente “servidão involuntária”, a fundação do programa de Delaney. Além disso, por mais digno que seja encorajar os outros a “começar a sua vida adulta a servir o seu país e a trabalhar ao lado de pessoas de diferentes origens”, essa é uma má razão para o que equivale a escravização. O Serviço Nacional exige punir as pessoas-presumivelmente prendendo—as e prendendo-as-por resistirem à engenharia social do estado.

Em Delaney plano, conscritos, convenientemente, excluindo pessoas a sua ou Buttigieg idade, teria de escolher entre servir nas forças armadas, “uma nova e ampliada programa de Serviço Comunitário”, “uma nova infra-estrutura Nacional de Aprendizagem do programa”, e “uma recém-criada Clima Corpo.”Conceptualmente, não há nada de novo na sua proposta. Mas subjugar as pessoas para fornecer mão de obra barata para projetos politicamente inspirados é mau, tanto em princípio como na prática.

primeiro, os militares não querem recrutas ou recrutadores de curto prazo. Os Serviços Armados aprenderam durante a guerra do Vietnã que aqueles que não querem estar lá tendem a desenvolver problemas de disciplina, têm pouco interesse em treinamento e educação, recusam‐se a assumir maior responsabilidade, e não vai re-up e popularizar uma carreira NCO corps. Além disso, um ano de serviço militar é um desperdício espetacular: assim como alguém é treinado, ele ou ela sai.em segundo lugar, “serviço comunitário” —limpeza de arrastões hospitalares, arquivamento de livros de biblioteca, e o que mais move grupos de interesse e legisladores-é valioso, mas não Nacional, e moral, mas apenas se não for coagido. Não existe compaixão obrigatória. É difícil pensar em um abuso pior do poder do governo do que prender e prender alguém por não aparecer para “tutor de crianças desfavorecidas”, um dos projetos aprovados por Delaney.em terceiro lugar, “aprendizagem em infra-estrutura”, ou seja, limpeza de parques e melhoria de edifícios federais, não é “serviço” em nenhum sentido significativo. O governo pode facilmente contratar trabalhadores para tais empregos. Coagir as pessoas a realizar tais tarefas não vai elevar moralmente ninguém.em quarto lugar, o” corpo climático “é mais do mesmo, ou seja, ajudar” em projetos de energia limpa, incluindo instalação solar, melhorar a eficiência da construção, desenvolver jardins comunitários, e aumentar a conscientização sobre práticas sustentáveis.”Aparentemente, concorrer à presidência deixou Delaney quase completamente desconectado da vida Americana. As empresas enviam pessoas porta-a-porta para vender produtos que cortam o uso de energia. As empresas competem ferozmente para instalar painéis solares em casas particulares e em operações comerciais. As pessoas criam livremente jardins comunitários nos seus bairros sem a assistência de recrutas federais. E há muito lobby para ” práticas sustentáveis.”Não precisas de ameaçar prender pessoas para forçá-las a entrar no negócio das Relações Públicas.talvez o maior problema com o serviço nacional seja que nem Delaney, nem Buttigieg nem ninguém parece compreender os custos de oportunidade. Isto é, a elaboração de pessoas para plantar jardins, pegar lixo, sorriso no hospital os pacientes, gerenciar alimentos, cozinhas e melhorar federal instalações de custos de qualquer outra coisa que os convocados de outra forma seria fazer: completar a sua educação, ajudando os membros da família precisam, contribuindo para as suas comunidades e em sua própria maneira, a preparação para a economicamente e socialmente valioso carreiras, e de outra forma utilizar suas habilidades para melhor atender às necessidades humanas. Ter políticos atribuindo pessoas a uma mistura arbitrária de Tarefas, praticamente nenhuma das quais são vitais em qualquer sentido, é garantido para ser um grande desperdício de dinheiro, tempo e talento.Delaney quer ” restaurar nosso senso de propósito compartilhado e um destino nacional comum e inclusivo.”Esse é um objetivo maravilhoso com o qual a maioria das pessoas concordaria. Mas juntar milhões nos seus programas de estimação e prender jovens de 18 anos recalcitrantes que não partilham a sua visão não é resposta para nada. Tal programa—com homens e mulheres mais velhos fora do seu alcance, livres de culpar os jovens pelos problemas da América-criaria cinismo e hostilidade, não “Serviço e patriotismo.”

A América enfrenta sérios desafios. Mas a maioria deles não tem solução política. “Precisamos de grandes mudanças transformacionais para impedir que a América se divida mais”, argumenta Delaney. Então deixe-o persuadir seus concidadãos a se juntar voluntariamente a ele em fazer essa mudança transformacional. Os americanos precisam de mais serviço, não de Serviço Nacional.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *